12 maio 2016


VAMOS FALAR SOBRE DOM CASMURRO







Publicado pela primeira vez em 1899, "Dom Casmurro" é uma das grandes obras de Machado de Assis e confirma o olhar certeiro e crítico que o autor estendia sobre toda a sociedade brasileira. Também a temática do ciúme, abordada com brilhantismo nesse livro, provoca polêmicas em torno do caráter de uma das principais personagens femininas da literatura brasileira: Capitu.














Olá meus queridos leitores!
Esta é mais uma obra da literatura brasileira de grande apreço, inclusive é tema de debate nas escolas devido ao seu enredo intrigante e investigativo. Se Capitu traiu ou não Bentinho não se pode afirmar, porque a narrativa é toda feita do ponto de vista dele, que sempre caracteriza a Capitu como uma mulher de caráter duvidável.

Logo, no meu ponto de vista através da narrativa da pessoa que se sente traída é mais fácil acusar e afirmar a traição, não temos um relato da Capitu apenas o de Bentinho.

O romance Dom Casmurro, de Machado de Assis, é um clássico da literatura brasileira e não alcançou esta posição por acaso. A complexidade de sua narração e de sua história o tornam um grande mistério até hoje. Afinal, Capitu traia ou não Bentinho?

A história se baseia no romance entre esses dois personagens e num possível romance entre Capitu e Escobar, melhor amigo de Bentinho. Este último é o narrador da história, portanto, tudo que sabemos deste triângulo amoroso é por sua visão. Esse fato faz com que não seja possível saber se a traição ocorreu ou não.

A desconfiança de Bentinho se inicia quando Escobar morre. No velório ele percebe que sua mulher não chora e desconfia que isso ocorresse por ela guardar um sentimento ainda maior pelo amigo e, por isso, escondesse as lágrimas. A partir desse momento começa a paranóia, ele percebe que seu filho é a cara de Escobar e que já havia encontrado o amigo e Capitu inúmeras vezes sozinhos em sua casa. Deste momento em diante o ciúme só cresce e tudo isso acabar por culminar na morte de Capitu.

A obra tem toda uma trama feita pelo autor para enganar o leitor, acreditava-se que o que estava escrito era o real e esqueciam que era apenas a visão de um dos personagens. A obra de Machado de Assis é genial justamente por ter essa capacidade de enganar contida em cada frase do romance.

Mas não é só em relação a possível traição de Capitu que se dá essa “enganação”. Durante todo o romance o narrador, Bentinho, também se engana. Procura argumentos para se ater na infidelidade de sua amada e acaba sendo iludido pelo próprio Machado de Assis.

Para este efeito o autor cria as fragmentações do livro propositadamente. Segundo Gledson, o ciúme de Bentinho já existia muito antes de seu amigo morrer. Portanto, apesar de ser inteligente e nos enganar, o narrador-personagem também é ludibriado pelo próprio autor.

Não por acaso Capitu é um dos maiores clássicos da literatura brasileira. Sua capacidade de confundir e nos fazer pensar faz com que tanto o romance seja reverenciado e seu autor, Machado de Assis seja considerado um gênio por toda essa capacidade e conhecimento humano.